Um pequeno glossário de costura

Olá outra vez!!!

Como prometi anteriormente fica aqui um pequeno glossário/dicionário de costura.

APPLIQUÉ – Aplique – consiste na costura de uma aplicação decorativa. Podem começar por usar um pedaço de entretela termocolante de dupla face, ou cola de tecido para manter o aplique no sítio, e depois terminar costurando à maquina ou à mão perto do limite do aplique. Um ponto muito usado, e que fica bonito nos apliques é o ponto de cobertor (BLANKET STITCH). Para um tutorial acerca de como colocar um aplique vejam aqui.

BACK TACK – É feito carregando na alavanca ou botão para retroceder na vossa máquina, retrocedam dois ou três pontos sobre o início, para evitar que a costura se desfaça.

BASTE / TACK – Alinhavar – pode ser feito à mão ou à máquina, consiste em fazer umas costuras temporárias para manter as várias peças juntas antes de serem costuradas em definitivo. Podem usar isto para testar se a peça de vestuário vos serve antes de a costurarem definitivamente. Para alinhavar à máquina seleccionem o comprimento de ponto maior (>4mm) que a vossa máquina tem e costurem normalmente.

BIAS – Viés – Todos os tecidos feitos em tear são compostos por fios entrecruzados perpendicularmente, os fios da urdidura verticalmente, e da trama horizontalmente. Quando um tecido é cortado em viés significa que é cortado na diagonal em relação a estes fios que se cruzam. Um tecido feito em tear normalmente não estica na horizontal ou vertical, mas estica na diagonal, e isso é aproveitado para criar modelos drapeados, e para fazer as famosas fitas de viés (BIAS TAPE) que tem usos variados, e são muito úteis para esconder as margens de costura.

trama-urdidura

Imagem de Nogueira modas

BUTTON/BUTTONHOLE – botão/casa de botão – a maioria das máquinas modernas tem programas mais ou menos automáticos para fazer casas de botão. Aconselho-vos a usar um retalhinho de tecido para testar o programa antes de tentarem fazer na peça que acabaram de costurar. Existem outras formas mais trabalhosas para fazer umas casas bonitinhas – podem fazer casas cobertas (BOUND BUTTONHOLE), ou fazer aros com tecido para servir de casas de botão (ROULEAU LOOPS).

CASING – Canal para passar um elástico ou uma fita.

DARTS – Pinças – Grande parte dos modelos de roupa para mulher incluem pinças no peito e na cinta para que fiquem bem modelados. Para costurar uma pinça eu costumo começar na base do triângulo (ou a meio do losango para a cinta) e terminar  na ponta. Em vez de retroceder com a máquina, que muitas vezes resulta num formato estranho, apenas dou um nózinho às pontas da linha. Depois de costuradas as pinças devem ser passadas a ferro, agora que tenho eu uso uma almofada de modelagem (TAILOR HAM) para passar bem a ponta da pinça, mas anteriormente usava uma toalha enrolada, ou a ponta da tábua.

EASE – Folga – diz respeito à folga incluída no modelo em relação às medidas.

FACING – Meio forro (?) – este termo nunca sei como traduzir, dizem respeito a peças que são costuradas no interior da peça, para que fique com um melhor acabamento, no entanto não consistem num forro completo da peça.

FINISH – terminar as costuras – depois de unir as várias peças devem aplicar algum tratamento às margens de costura para evitar que se desfaçam com o uso e lavagens. Podem usar vários géneros de acabamento – podem aparar as margens com uma tesoura ou cortador rotativo com lâmina em zigzag (PINKING), podem acabar as margens de costura costurando usando o ponto de zigzag ou de chulear da vossa máquina de costura (OVERLOCK STTICH), ou se tiverem, podem usar a vossa máquina de corta e cose (OVERLOCKER ou SERGER). Uma forma decorativa e profissonal de terminar as costuras ou de terminar decotes ou cavas é a aplicação de uma fita de viés para esconder todas as margens dos tecidos (HONG KONG FINISH).

FLAT FELLED SEAM – costura plana (?) – este é um outro termo que não estou certa como traduzir, é uma costura que não necessita de acabamento pois as margens da costura ficam completamente recobertas. Podem vê-las muitas vezes em camisas e calças de ganga e são feitas da seguinte forma (para costuras com margens de 1,5 cm ou 5/8 de polegada): 1. Costurar com a margem de 1.5cm/5/8 de polegada, com os lados do avesso do tecido juntos; 2. Passar a costura a ferro aberta; 3. Aparar um dos lados da costura para 0.6cm ou 1/4 de polegada; 4. Passar o lado da costura não aparado sobre o lado aparado, e em volta do limite da margem aparada, e costurar perto deste limite enrolado. Para um tutorial em inglês com imagens podem clicar no link abaixo da imagem.

screen-shot-2013-05-15-at-10-38-32-am

Imagem do Craftsy

FRENCH SEAM – Costura Francesa ou inglesa – é um outro tipo de costura que não necessita de acabamento pois as margens da costura ficam completamente recobertas. É muitas vezes usada em camisas e tecidos finos. Acho que cada pessoa faz de uma forma ligeiramente diferente, eu faço assim (para costuras com margens de 1,5 cm ou 5/8 de polegada): 1. Marcar com um pequeno corte, ou com uma caneta para tecido a margem de costura de 1,5 cm ou 5/8 de polegada;  2. Costurar com a margem de 0.6cm/1/4 de polegada, com os lados do avesso do tecido juntos; 3. Aparar a costura para 0.3cm ou 1/8 de polegada; 4. Passar a costura do lado do direito do tecido para um dos lados, e depois do lado do avesso, garantindo que a dobra do tecido fica bem perto da costura; 5. Costurar pela marcação feita no ponto 1, se o tecido for fino será 0.9cm ou 3/8 de polegada, se for mais volumoso será  de 0.6cm ou 1/4 de polegada. Para um tutorial em Inglês com imagens podem clicar no link abaixo da imagem, em Português podem ver a explicação da Constança.

screen-shot-2013-05-15-at-10-56-10-am

Imagem do Craftsy

GATHERING – Franzir – Existem vários métodos para franzir tecido, e podem ter várias aplicações. É usado por exemplo para costurar o topo de uma manga à cava para que assente na perfeição e não fique com rugas (SETTING IN a sleeve). Um dos métodos mais básicos para franzir consiste em costurar duas linhas paralelas com um ponto largo, e depois puxar apenas as linhas do avesso para franzir o tecido.

HEM – Bainha – Existem vários métodos para fazer bainhas, o mais simples será apenas dobrar o tecido e coser a bainha à mão com um ponto invisível (ou usar o CATCH STITCH). Para a maioria das minhas bainhas eu costumo dobrar cerca de 1cm para cima e depois enrolar 1.5 cm e fazer um pesponto perto do limite da bainha. Outra bainha muito comum para acabamentos mais finos é a bainha estreita (NARROW HEM ou ROLLED HEM), é feita da seguinte forma: 1. fazer uma costura a uma distância 0.6cm/1/4 de polegada menor que o comprimento desejado para a bainha; 2. Dobrar a bainha para cima pela costura e passar bem a ferro. 3. Costurar novamente bem pertinho da linha de costura anterior e aparar a bainha pertinho da linha de costura; 4.dobrar a bainha mais uma vez e voltar a passar a ferro; 5. Costurar bem pertinho do limite da bainha. Existem também pés próprios para fazer este género de bainhas, eu tenho um mas ainda não me entendi bem com ele, penso que é mais adequado para tecidos muito finos. Fica aqui um tutorial.

screen-shot-2013-05-08-at-12-29-46-pm1

Imagem do Craftsy

HOOK and EYE – colchetes

INTERFACING – Entretela – Uma camada de tecido extra, que se aplica em alguns tipos de peças, ou a algumas regiões da peça de vestuário, que confere alguma rigidez e estrutura. É usado por exemplo em colarinhos. Tenham em atenção que existem vários tipos de entretela disponíveis, existe entretela “tecida”, entretela com a estrutura da malha ou composta por várias fibras aglomeradas, e podem existir várias espessuras, consoante a finalidade. Cada género de entretela tem a sua aplicação, o melhor é sempre apreciá-la com as vossas mãozinhas e perceberem se tem a espessura que querem.

INTERLINING – é uma camada extra de tecido que pode ser aplicada, para tornar uma peça opaca, ou mais espessa. As peças que cortarem no tecido exterior cortam igual nesta tecido “extra” e costuram normalmente a camada de tecido exterior com o tecido “extra” como se tratasse de um só tecido.

KNIT FABRIC – tecido de malha

LINING – forro

MUSLIN ou TOILE – teste (ao modelo ou molde) – não sei bem como traduzir isto, mas basicamente consiste em costurar o molde, ou parte dele num tecido menos dispendioso para afinar a forma como assenta, e praticar as técnicas usadas. 

NAP – direcção do tecido – alguns tecidos, como o veludo por exemplo, tem uma direcção visível. Convém que todas as peças sejam cortadas na mesma direcção, para evitar que fiquem com tonalidades diferentes. 

PIPING – Vivo – é uma aplicação muito usada em costura de almofadas ou outros elementos de decoração, que confere um efeito decorativo à costura.

screen-shot-2013-05-15-at-10-13-33-am

Imagem de Craftsy

POCKET – Bolso – existem uma data de tipos de bolsos, e cada um tem a sua forma de ser costurado – podem ser adicionados nas costuras (INSEAM POCKET), ser aplicados em cima da peça de vestuário (PATCH POCKET), podem estar no interior (WELT POCKET – simples e duplo), ou ter outros géneros de construção

PLEAT – Prega

PRESS – Passar a ferro as costuras – para obter um bom acabamento é essencial manter o ferro sobre a costura durante alguns segundos, do lado inverso e do lado do direito. As instruções podem indicar uma direcção para qual passar as costuras, ou indicar para as manter abertas. Para os tecidos mais sensíveis convém usar um pano entre a peça e o ferro (PRESS CLOTH).

RIGHT SIDE / WRONG SIDE – Lado direito/Lado avesso. O lado direito do tecido é o que irá ficar visível do exterior, o lado avesso no interior. Normalmente as costuras são feitas com os lados do direito juntos, para que fiquem escondidas no interior. 

RUFFLE – Folho – pode ser feito franzindo o tecido, ou usando linha elástica fina na canela.

SEAM ALLOWANCE – Margem de costura- é o espaço entre o limite do tecido e a linha de costura. Para mim a melhor forma de manter uma margem de costura consistente é guiar o tecido pelas linhas marcadas na máquina, ao invés de tentar olhar para a agulha. 

SELVEDGE – Ourela – é o limite do tecido que está rematado, e não se desfaz. Corresponde ao local onde a trama passa para a fila seguinte. 

SNAPS – molas

STAY STITCH – Fazer uma costura perto do limite, numa curva ou numa zona cortada na diagonal, para evitar que a peça perca a forma ao esticar. 

TOPSTITCH – Pesponto – é uma costura vísivel a partir do exterior, com fim decorativo, ou para segurar uma bainha ou um meio forro no local correcto. 

TRIM – Aparar – Após a costura e depois de testar se a peça serve, as margens de costura devem ser aparadas para cerca de metade (se não houver outra indicação) para evitar que as costuras fiquem muito volumosas, e depois terminadas como acharem melhor (ver finishing). 

UNDERSTITCH – Consiste fazer uma pequena costura entre o meio forro e as margens de costura entre o meio forro e o exterior – ajuda a manter este meio forro no interior da peça de vestuário. 

ZIPPER – fecho zíper ou fecho éclair. Existem várias formas de costurar um zíper:

1.zíper invísivel (INVISIBLE ZIPPER) – Usar o calor do ferro para manter os dentes do zíper desenrolados, usar um pé de zíper invísivel para costurar bem juntinho aos dentes.

invisiblezipper

Imagem do Craftsy

2. zíper centrado (CENTERED ZIPPER ou RAILROAD ZIPPER) – alinhavar a costura no local onde o zíper será inserido; passar a costura aberta a ferro, costurar o zíper no centro e depois desfazer o alinhavo.

railroadzipper

Imagem do Craftsy

3.zíper com lapela (LAPPED ZIPPER) – Fazer a costura até ao local de inserção do zíper, dobrar a margem de costura na zona do zíper com o ferro de engomar, 1,5 cm ou 5/8 de polegada do lado direito (de quem olha), e 1,3cm ou 1/2 de polegada do lado esquerdo. Costurar o zíper ao lado dobrado 1,3cm, com os dentes, cerca de 0,3cm ou 1/8 de polegada da linha de dobra. Colocar a outra parte dobrada sobre o zíper fechado, a dobra deve assentar sobre a linha de costura. Alfinetar ou alinhavar a dobra do lado esquerdo à fita do zíper e costurar a cerca de 0.9cm ou 3/8 de polegada da dobra. No final pivotar o tecido e terminar a costura em L. 

Espero que este pequeno glossário vos seja útil para decifrarem os modelos de costura. Termino assim a minha pequena série de como se lançarem a costurar roupa para vocês.

Hi guys!!!

First off I’d like to apologize all my English speaking readers but this post will be in Portuguese only. It’s the small sewing dictionary I promissed I’d publish. I feel that much more resources are available for English speakers, and the addition of my version of a sewing dictionary would not add much to what is already available. The vast majority of the links provided are in English, you can follow them for tutorials, and if you want a physical compilation of all the information I shared and more (because I felt some of the techniques were too advanced for begginers) check the Sewtionary book. It’s my go to reference for when I need to find details about a technique when I’m at the sewing machine.

Advertisements

4 thoughts on “Um pequeno glossário de costura

  1. Cátia Mendes says:

    Pois, já cheguei ao fim da lista e já vi lá o “interfacing” 😛
    Gostei, é útil, principalmente aquela panóplia de “stitching” (top, under….)
    Obrigada!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s